Postagem Observatório

Palpitômetro da Economia - Rodada 17

Data da publicação:

Nesta última semana, alguns fatos causaram movimentações no cenário econômico nacional e internacional, cujos possíveis desdobramentos - ainda em curso - devemos ficar atentos. O primeiro deles foi a escalada dos preços do petróleo, na esteira do ataque de um grupo rebelde houthi do Iêmen a refinarias na Arábia Saudita, considerado como uma retaliação às ações da coalizão liderada por este país na guerra civil de seu vizinho.

Tal escalada teve reflexos no Brasil com o recente aumento dos combustíveis, o que, num primeiro momento, poderá pressionar o IPCA, o principal indicador de inflação. No entanto, devido ao fato de o impacto na produção de petróleo ter sido temporário e limitado - longe de ser comparável ao grande choque do petróleo de 1973, a pressão inflacionária tende a ser pontual.

Outro fato, não menos importante, foi o corte de juros pelo Fed, o Banco Central dos EUA, em 0,25 p.p., para a faixa de 1,75% a 2,00% ao ano. No mesmo dia, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC no Brasil cortou a taxa básica em 0,5 p.p., para 5,50% a.a., o menor valor da história. A medida, em linha com o Fed norte-americano e com o Banco Central Europeu - que, na quinta-feira da semana passada, reduziu os juros para -0,50% a.a., além de retomar as compras de ativos -, ocorre sob o contexto da desaceleração econômica mundial decorrente da guerra comercial entre EUA e China, que continua a provocar ruídos nos mercados.

Não menos importante para se acompanhar é o calendário da votação da Reforma da Previdência no Senado, cujas discussões em plenário estão previstas para a próxima terça-feira, 24/09. A medida, crucial para o ajuste fiscal e para ajudar a sanear as contas públicas, poderá permitir - se aprovada (algo bastante provável) - que este ciclo de juros baixos se sustente por mais tempo.

Tendo em vista este contexto, segue, abaixo, mais uma rodada de palpites para os principais indicadores econômicos do país neste ano. A evolução destes você pode conferir na tabela com os indicadores das quatro últimas rodadas de prognóstico, bem como thread de meu perfil no Twitter, caso queiram um track record mais longo.

 

Indicador

16/08/2019

30/08/2019

06/09/2019

20/09/2019

PIB (%)

0,6

0,6

0,6

0,7

Inflação (%)

3,8

3,7

3,7

3,7

Desemprego (%)

11,8

11,8

11,7

11,7

Selic (%)

5,00

5,00

5,00

4,75

Dólar (R$)

3,75

3,80

3,80

3,80

Previdenciômetro (R$ bi)

750

750

750

760