Ergonomia nos estudos

Por Hugo Leonardo Matos Albuquerque, professor e consultor de aprendizagem

Cofundador do Honestidade Intelectual


A grande maioria das pessoas preocupa-se muito com desenvolver suas competências, realizar treinamentos ou mesmo fazer novos cursos profissionalizantes.

Todavia, uma parcela pequena deste grupo presta atenção a um outro elemento fundamental para a melhoria da produtividade, seja no trabalho ou nos estudos: o ambiente.

Imagine que você esteja fazendo um extenso curso cujo material precise ser revisado à noite em sua residência. Uma iluminação não adequada poderá provocar insônia, dores de cabeça, dificuldade de concentração e, sobretudo, perda da qualidade de vida no dia a dia. Uma alimentação não balanceada pode provocar fadiga, dores pelo corpo, complicações de saúde ou mesmo doenças que impossibilitem o exercício dos trabalhos de forma satisfatória.

Por isso, aqui vão algumas dicas básicas sobre elementos que podem ser facilmente observados e substituídos, aumentando seu desempenho a custos muitas vezes baixíssimos. Vamos a eles?

1) Alimentação: uma dieta saudável é balanceada. Evite consumir apenas processados, frituras e doces. Toda esta massa em excesso pode provocar dores e complicações intestinais, além de dificultar a absorção de nutrientes. Dê espaço a uma fruta ou verdura por dia em seu cardápio, além de bastante água. Faça boas variações nas proteínas, alternando entre carnes, frangos e sobretudo peixes, ricos em óleos importantes para o funcionamento do seu corpo. De preferência, consulte um nutricionista para uma completa avaliação e as melhores orientações alimentares adaptadas à sua realidade.

2) Ambiente de estudo: o local de trabalho/estudo deve ser, dentro do possível, equipado com boa iluminação, luz branca e fria, para poupar os olhos de um esforço desnecessário, e um espaço não apertado que não provoque dores ou incomode no exercício das atividades. A cadeira deve respeitar e proteger a postura do profissional/estudante, de modo que não seja necessário tensionar o pescoço ou que não haja nenhum tipo de dor irregular. A temperatura deve ser ambiente ou levemente abaixo, para manter a concentração porém sem causar desconforto. Na ausência de silêncio, fones de ouvido com sons ambiente são recomendados para se evitar a dispersão e gerar aumento de foco. Para maiores informações, pesquisar sobre frequência branca e sons isoladores de ambiente.

3) Sono: para que possamos efetivamente registrar conteúdos aprendidos e trabalhar com destaque, precisamos dormir para descansar. Mas o sono é reparador somente se chegarmos ao sono REM (Rapid Eye Movement) que seria um sono profundo que registra todos os acontecimentos vividos e absorvidos naquele dia e descarta o excesso de informação desnecessária. Para isso, é necessário um ambiente silencioso, escuro e amplo. Espaços apertados, cheios de luzes e barulhentos dificilmente proporcionarão um sono reparador. O resultado é o cansaço acumulado que gradativamente irá minando o desempenho do indivíduo. Com isso, problemas de memorização e desempenho profissional tornam-se comuns e a saúde é comprometida.

Seguindo estas dicas, tenho certeza de que a qualidade de vida irá aumentar, os estudos irão render cada vez mais e, acima de tudo, teremos profissionais e estudantes mais felizes, alegres e conscientes de boas condições do dia a dia que podem mudar para se desenvolver cada vez mais.

Espero que tenham gostado das dicas. Um forte abraço e até a próxima!

1 visualização

©2020 por Diário do Observador.