Postagem Observatório

Bolsonaro: pacote anticrime deve ser temido pelo criminoso

Data da publicação:

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3), que o pacote anticrime, em tramitação no Congresso Nacional, foi elaborado "para ser temido por marginais e não pelo cidadão de bem". Ele fez críticas a "órgãos da Justiça e do Ministério Público, que buscam transformar auto de resistência em execução".

"O ativismo em alguns órgãos da Justiça e do Ministério Público na política busca, cada vez mais, transformar auto de resistência em execução. É doloroso você ver um policial chefe de família preso por causa disso. Muitas vezes vemos policiais militares serem alçados por uma função, aí vem a imprensa dizer que ele tem 20 autos de resistência. Tem de ter 50. É sinal de que ele trabalha, que faz sua parte, e de que ele não morreu", disse o presidente, na cerimônia de lançamento das campanhas publicitárias a favor do pacote, no Palácio do Planalto.

Autos de resistência ocorrem quando policiais usam dos "meios necessários" para efetuar prisões contra pessoas suspeitas de terem praticado um crime. Já o excludente de ilicitude, ao classificar essa ação como legítima defesa por parte do policial, exime dele, qualquer ilícito consequente. As duas ferramentas jurídicas estão entre os pontos polêmicos do pacote anticrime original apresentado pelo governo. Segundo seus críticos, tanto os autos de resistência como os excludentes de ilicitudes seriam uma espécie de carta branca para a polícia matar.

"Queremos mudar a legislação para que a lei seja temida pelos marginais e não pelo cidadão de bem. Esse é o espírito da lei e o objetivo da propaganda do projeto anticrime", disse o presidente referindo-se à campanha anunciada no Planalto.

Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil